Balança comercial de produtos gráficos fecha em queda :: Guia do Gráfico ::
X
Formulário de Contato





Mensagem Enviada

18 de novembro de 2015

Balança comercial de produtos gráficos fecha em queda

Ricardo Viveiros & Associados

A balança comercial de produtos gráficos fechou o terceiro trimestre em queda. Em valores, as exportações caíram 11%, e as importações, 23,5%, frente ao mesmo período do ano passado. No período, foram exportados US$ 67,4 milhões, equivalentes a 20,7 mil toneladas de produtos gráficos, e importados US$ 100 milhões, correspondentes a 23,2 mil toneladas de itens gráficos. O saldo foi um déficit de US$ 32,5 milhões, 41% menor do que no terceiro trimestre de 2014, segundo cálculos da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf), com base em dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic).

Também na balança comercial brasileira houve queda nas exportações, o que contradiz a previsão de que a alta do dólar tornaria o produto brasileiro mais competitivo lá fora. “O dólar alto, em vez de melhorar a competitividade, tem penalizado os custos de equipamentos e insumos dos quais dependemos”, analisa Levi Ceregato, presidente nacional da Abigraf.

Nas exportações, o segmento de Embalagens liderou as vendas do setor para o mercado externo, com 39% (US$ 25,4 milhões e 17 mil toneladas), enquanto produtos do segmento Editorial (como livros, revistas e periódicos) foram os mais importados (US$ 41,1 milhões e 6,3 mil toneladas).

Dentre os principais compradores dos itens gráficos nacionais, destacaram-se Estados Unidos (11%) e Venezuela e Uruguai (9%, cada um). No grupo dos países que mais se beneficiaram com as compras externas brasileiras desses produtos, estiveram China (25% do total), Estados Unidos (18%) e Suíça (5%). 

Não espanta que o Índice de Confiança do setor, apurado trimestralmente pela Abigraf, tenha apresentado nova queda em setembro. Com menos 11 pontos em relação ao mesmo período de 2014, o IC da indústria gráfica fechou o terceiro trimestre com 38,3 pontos, em uma escala de zero a cem, na qual 50 representa neutralidade.

As grandes empresas do setor foram as que demonstraram menor confiança (IC de 35,2). Na análise por região, as gráficas do Sudeste, em especial de São Paulo, apresentaram o menor IC, respectivamente, 35,4 e 31,9 pontos. Os segmentos Editorial e Embalagens foram os menos confiantes, marcando 32,9 e 36,7 pontos.

 

A ABIGRAF atua em favor do desenvolvimento e do fortalecimento da indústria gráfica nacional e da comunicação impressa. Com 22 sedes regionais instaladas nas diferentes regiões do País, reúne 21 mil empresas associadas, geradoras, em 2014, de uma produção industrial de cerca de R$ 45,8 bilhões e 216 mil empregos diretos. Para saber mais: abigraf.org.br







Clique aqui se sua empresa fornece produtos ou presta serviços para gráficas
Clique aqui se sua empresa é uma gráfica.
Anuncie sua EMPRESA | Anuncie MÁQUINAS usadas | Anuncie vagas de EMPREGO